terça-feira, 26 de julho de 2011

8 simples sinais que o seu vinho está estragado

Como sabemos, o conteúdo de uma garrafa apenas aberta não necessariamente pode estar como queríamos, ou pior, pode estar estragado. E nunca falta o sommelier da vida que quer te convencer que você está enganado. Então, nestas horas, você sabe como reconhecer os defeitos? Don’t worry, o MondoVinho vem aí com mais um guia prático de sobrevivência, que vai te ajudar nos momentos duvidosos.

1) Alvenaria
Tipo: a cor do seu Malbec 2010 vai de tijolo de barro para quadra de tênis do Roland Garros.
Os tons naturais de cor de um tinto são: vermelho rubi/púrpura/alaranjado/granada. Já as nuances de um branco podem ser amarelo esverdeado/palha/dourado/âmbar. Quando ambos os tipos (tinto e branco) ficam em contato com o oxigênio, perdem parte do brilho e pegam uma cor tendente ao marrom. Isso é normal para vinhos de longa maturação, mas em garrafas e safras recentes é o primeiro sinal que o seu vinho está oxidado.

2) Borbulhas
Tipo: o seu Sauvignon Blanc tem uma perlage na taça que nem Champagne.
As leveduras não têm desenvolvido bem as próprias tarefas. Partículas de açúcar andam soltas pela garrafa. Com a chegada do primeiro calor, as leveduras voltam à ação e uma nova fermentação não desejada começou implacavelmente.

3) Au-au!!!
Tipo: no restaurante pede um Barolo e vem com o cheiro do seu cachorrinho molhado.
Mesmo se o seu vinho for um Conterno 1990 não necessariamente os aromas terciários devem ter licença para matar. Se o cheiro do seu Billy domina na taça, isso tem uma explicação plausível: o TCA tem tomado posse de seu vinho. A sigla significa Tricloroanisol, substância  química que é a maior responsável pelo cheiro de mofo, melhor conhecido como bouchonée (já passei por isso...)
No caso o sommelier acima citado tentará fazer você mudar de opinião “é o típico aroma de papelão molhado”. Claro: uma garrafa desta tem que ser vendida a qualquer custo!

4) Muuuuu
Tipo: o seu Syrah cheira a band-aid, ou pior, a celeiro.
A levedura Brettanomyces, em pequenas doses pode até ser índice de tipicidade e tem seus apreciadores, mas se você sentir no nariz uma verdadeira transumância de gados, então não está perante de um bom vinho que mostra o próprio terroir, mas na frente de uma bela contaminação de Brett.

5) Salão de beleza
Tipo: o seu Chianti tem cheiro de esmalte para unhas, ou pior, de vinagre.
A evolução natural do vinho é de se tornar (antes ou depois) vinagre. Sinal que as bactérias do ácido acético estão trabalhando causando a chamada de acidez volátil (ou VA). Como pelo Brett, a VA pode ser indicador de boa qualidade, mas em excesso é um defeito. Se o seu vinho estiver deste jeito, use-o como condimento. A sua salada agradece.

6) Cobaia
Tipo: pede um Cabernet Sauvignon e se lembra do laboratório onde a sua parceira bióloga te leva de vez em quando.
Os ingleses o chamam de "mousey", eu o chamo fedor de rato. Mais uma vez os responsáveis são as bactérias. Mesmo assim, também tem uma delegação de adeptos, mas este “aroma” pra mim é bastante desagradável, o suficiente para me fazer feliz tomando água fresca.

7) Dentro do vulcão  
Tipo: pede um Pinot Noir e encontra sob o nariz um repolho cozido.
Defeito causado pela indesejada formação de compostos sulfurosos (enxofre). Outro cheiro comum é de borracha queimada.

8) Não preciso de Tylenol
Tipo: pede um Gewurztraminer e te trazem uma água natural sem gás.
Se não estiver sentindo nenhum aroma não é necessariamente porque esteja gripado. O vinho pode ter sido servido a uma temperatura muito baixa, ou talvez precise de um pouco de oxigenação. Tente esquentar a taça com as palmas das mãos e rode-a novamente. Se nada acontecer é até provável que o vinho tenha um baixo nível de bouchonée, ou seja: o TCA já cancelou os bons aromas do vinho, mas ainda não chegou a desenvolver os cheiros desagradáveis acima citados.

19 comentários:

  1. Ótimo post!!!!
    Acho que vou imprimir e andar com isso na carteira, rsrsrs..
    Abs

    ResponderExcluir
  2. Ehehehe, Rosane,
    Obrigado pela consideração!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Adorei o post!!! Além de didático, tem um humor imbatível! Parabéns!
    Beijo
    Evelyn

    ResponderExcluir
  4. A rigor, todos os vinhos europeus que chegam ao Brasil tendo saído de lá no verão estão cozidos e, portanto, prejudicados. Poucos caminhões são refrigerados.

    ResponderExcluir
  5. Evelyn,
    Muito obrigado! Fico feliz que apreciou o humor: o propósito do blog é justamente de falar de vinho (e das coisas chatas/complicadas ao seu redor) de uma forma descontraída e leve.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Andy,
    Não é exatamente assim: o que falei acontece com vinhos já engarrafados com defeitos. Em linhas gerais, a maioria das garrafas agüenta o calor para algumas semanas. Ademais os vinhos jovens, que são mais sujeitos a este tipo de problema, na Europa são geralmente engarrafados (e consequentemente enviados para cá) nos meses de Março e Setembro, quando as temperaturas são mais amenas (mediamente de 10-20° graus).
    Obrigado pela visita e pelo seu comentário.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Cheiro de borracha queimada já senti, no entanto o sommelier provou do vinho e ficou quieto. Como não tinha experiência achei que era um "aroma" novo que ainda não havia experimentado. Só vim a saber que era um defeito através deste site. Obrigado, Mondovinho, e grande abraço!

    ResponderExcluir
  8. Esse post vai para os meus "favoritos" e será devidamente compartilhada com amigos amantes do vinho e também no Facebook.

    ResponderExcluir
  9. Muito boas dicas! Coloquei um link aqui: https://www.facebook.com/topic.php?topic=377&uid=154681447911179
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  10. Leonardo,
    Como disse, em pequenas doses estes aromas podem até ser tolerados, mas se chegarem a incomodar tem que pedir que o seu vinho seja trocado, mesmo se o sommelier não concordar (ele tem que vender a garrafa...).
    Muito obrigado pela leitura e pelo seu comentário.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Agostinho,
    Muitíssimo obrigado! Fico feliz que gostou.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  12. Sofia,
    Eu que agradeço você pela leitura, pelo comentário e pela divulgação.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  13. Mario

    Aqui tu foste divino. O que dizer, mais nada, apenas admirar.

    Um abraço Peter

    ResponderExcluir
  14. Peter,
    Sempre gentil demais. Fico lisonjeado pelo seu elogio. Muito obrigado, mesmo.
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  15. Grande Mario, realmente este post temos que guardar em nossas carteiras, como você mesmo explicou em tópico anterior, temos que ter muito cuidado para não confundirmos um defeito real com o nosso gosto pessoal, senão temos o risco de nós sermos trocados pelo sommelier... Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  16. Rafael,
    Muito obrigado por mais um coméntario super-pertintente.
    Valeu mesmo!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  17. sou iniciante na arte, e posts como o seu, ajudam cada vez mais pessoas como eu...MUITO OBRIGADO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. André,
      Eu que agradeço você pela leitura e pelas suas gentis palavras.
      Abraço!

      Excluir
  18. Comprei um vinho e coloquei pra resfriar, quando abri ele tinha umas bolhas, parecendo refrigerante. Horrível.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...